expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Apesar de contestação mundial, Indonésia diz que não voltará atrás em execuções

A Indonésia informou hoje (26) que está determinada a avançar com a execução de oito estrangeiros, entre os quais um brasileiro, condenados por tráfico de droga, apesar da contestação mundial liderada pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon.

Ontem (25), as autoridades indonésias notificaram os oito estrangeiros – da Austrália, Nigéria, do Brasil e das Filipinas – que as execuções, por um pelotão de fuzilamento, ocorrerão em breve. Um preso indonésio também será executado na mesma ocasião. A procuradoria-geral da Indonésia declarou que o francês Serge Atlaoui, também condenado à morte por tráfico de droga, foi retirado desta lista de execuções iminentes, depois de muita pressão do governo francês.

O grupo de prisioneiros já foi transferido para a prisão de segurança máxima de Nusakambangan, onde ficarão até serem executados.

O governo de Jacarta informou, no sábado, que as execuções poderiam acontecer dentro de três dias. Os governos estrangeiros envolvidos já realizaram pedidos de clemência para os seus cidadãos à Indonésia. Os pedidos foram negados.

O secretário-geral Ban Ki-moon, “apelou ao governo indonésio para não executar, como anunciou, os dez prisioneiros que se encontram no corredor da morte pelos crimes alegadamente ligados à droga”, indicou um comunicado divulgado ontem pela organização.

“Segundo a legislação internacional, em países onde a pena de morte está em vigor, a lei apenas deve ser aplicada em crimes graves, como mortes com premeditação”, diz a ONU e acrescenta que “as infrações ligadas à droga não estão normalmente incluídas nesta categoria de crimes , muito graves”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário