expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Veteranos da II Guerra voltam aos céus em seus antigos aviões nos EUA

Uma exposição aérea em Nova Orleans neste final de semana, organizada pelo National World War II Museu e a Commemorative Air Force, que mantém aviões da II Guerra Mundial, terá aviões como o B-29 Superfrotress, muito usado em bombardeios de longa escala no Pacífico, e um B-25, um avião de médio alcance frequentemente usado na Europa. A agência AP conversou com alguns veteranos que tiveram a chance de voar novamente em seus antigos aviões, desta vez apenas por diversão.

O veterano da II Guerra David Oreck, de 92 anos, ocupa o lugar do responsável pelas bombas no B-29 Superfortress ‘Fifi’ durante voo em Nova Orleans, na quinta (22) (Foto: AP Photo/Gerald Herbert)
O veterano da II Guerra David Oreck, de 92 anos, ocupa o lugar do responsável pelas bombas no B-29 Superfortress ‘Fifi’ durante voo em Nova Orleans, na quinta (22) (Foto: AP Photo/Gerald Herbert)
Enquanto o B-25 se preparava para decolar. Victor J. Hancock, de 92 anos, se lembrou de quando estava no comando: “Eu fechei os olhos de propósito e me vi na Córsega, decolando em formação”, disse. Hancock voou em 22 missões sobre a Itália e a Áustria como piloto de um B-25, muitas vezes tendo como alvo o Passo do Brennero, nos Alpes, que os alemães usavam para movimentar suas tropas e transportar suprimentos até a Itália.

“Os alemães estavam muito determinados a evitar que fizéssemos isso”, disse Hancock, se lembrando de voos com as baterias antiaéreas “nos nossos calcanhares”. Neste voo, ele se sentou na frente, diretamente atrás dos pilotos, observando de cima os controles e o céu. Quando pousaram, elogiou os pilotos pela bela descida.

O veterano da II Guerra Martin Biener, de 93 anos (direita), revê as fotos que tirou durante seu voo no B-25 ‘Yellow Rose’, em Nova Orleans, na quinta (22), ao lado do também veterano Paul Miller, de 90 anos (Foto: AP Photo/Rebecca Santana)
O veterano da II Guerra Martin Biener, de 93 anos (direita), revê as fotos que tirou durante seu voo no B-25 ‘Yellow Rose’, em Nova Orleans, na quinta (22), ao lado do também veterano Paul Miller, de 90 anos (Foto: AP Photo/Rebecca Santana)
Martin Biener secretamente esperava que pudesse pilotar o B-25 apelidado ‘Yellow Rose’, que carregou os seis veteranos pelos céus de Nova Orleans. Em vez disso, o antigo piloto de 93 anos, que voou em 51 missões pela Europa, se sentou perto do meio do avião, ao lado do assento do atirador, e, em um sinal do quanto a tecnologia mudou, sacou seu iPhone para registrar a experiência. Alguns dos outros veteranos tiraram selfies.

A diversão foi bem diferente de seu pior voo em um B-25. A queda de uma bomba havia falhado quando as portas se abriram, mas ela ainda estava ativa e, caso atingisse o avião, causaria sua explosão. Biener subiu da cabine até a área da bomba, e enquanto um membro da tripulação o segurava, conseguiu soltar a bomba: “Eu não iria deixar mais ninguém se pendurar em uma porta aberta”, explicou.

O co-piloto Phil Bonasera acena da janela do bombardeiro B-25 ‘Yellow Rose’, em Nova Orleans, na quinta (22) (Foto: AP Photo/Gerald Herbert)
O co-piloto Phil Bonasera acena da janela do bombardeiro B-25 ‘Yellow Rose’, em Nova Orleans, na quinta (22) (Foto: AP Photo/Gerald Herbert)
Durante a apresentação antes do voo, os pilotos informaram aos veteranos onde estavam localizadas as saídas de emergência. Mas Bernie Peters, de 92 anos, já estava familiarizado com a escotilha de saída acima da cabine. Durante um pouso forçado na guerra, com apenas parte dos freios funcionando, seu avião disparou até o fim da pista, até bater em um vinhedo. Todos escaparam rapidamente, temendo um vazamento de combustível.

Voar em um B-25 novamente foi uma “verdadeira emoção”, disse Peters. Ele se sentou na frente do avião, atrás dos pilotos, com fones de ouvido, ouvindo a conversa enquanto olhava pela janela. Ele falou com carinho do avião que pilotou por 49 missões sobre o Passo do Brennero: “Ele era realmente forte”.

Um dos pilotos acena da janela de um avião de combate SBD Dauntless, da II Guerra Mundial, no New Orleans Lakefront Airport, em Nova Orleans, na quinta (22) (Foto: AP Photo/Gerald Herbert)
Um dos pilotos acena da janela de um avião de combate SBD Dauntless, da II Guerra Mundial, no New Orleans Lakefront Airport, em Nova Orleans, na quinta (22) (Foto: AP Photo/Gerald Herbert)
G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário